Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Um pouco sobre "Resquícios de um Corpo-flor"

"Resquícios de um corpo-flor" é uma série onde materializo um corpo cuja sua existência ainda não pode ser datada. É um corpo pré ou pós-colonial. Ele habita um passado ou um futuro onde categorias de como gênero, raça e sexualidade foram desmanteladas; ou ao menos reformuladas. Corpo-flor é a atualização de corporeidades que constituem o presente, e provocam rachaduras em modelos identitários enrijecidos. É um corpo - e um obra - que constitui necessariamente em coletividade, em processos grupais, e nunca sozinho.

Sendo assim, tal corpo fala de pessoas negras, latinas, travestis, transsexuais, LGBTTS. Bixas, sapatão, trans-lesbixa, bixa-travesti, Pessoas essas que estão a todo o momento produzindo linhas de fuga de processos de subjetivação que as despotencializam, as patologizam e as assassinam. Esta série é sobre mim, um corpo que cria para si outras coreografias de gênero, etnia e sexualidade, numa tentativa de tentar escapar de normas identitárias que impõem a todo momento. Por eu ser negra e possuir um pênis, esperam de uma performance de masculinidade que nunca fiz. Eu então questiono o que é ser negro e reivindico minha feminilidade. Sou bixa.

No fim, reorganizo meu corpo preto-bixa em um corpo-flor: corpo de intensidade, disruptivo, fugaz, terrorista de gênero e anti-racista.  Corpo-flor fala de um reacoplamento entre corpo humano e natureza. Proponho então uma atualização do conceito de humanidade. 

Em "Resquícios de um corpo-flor", apresento uma nova biologia, onde plantas nascem por todo este corpo. Plantas medicinais, usadas para curas, mas também outras, que podem ser mortíferas. Esta série então, também fala de afetos tristes e felizes, de memória, ao passo que todas as plantas usadas possui um significado a mim.